Semear feijão

Feijão seco -semente-
Há diversas opiniões sobre a origem do feijão...Sudeste Asiático...América....difundido posteriormente pelas regiões mais longínquas do globo.
Certo é, que ao longo dos tempos se assume como um elemento importantíssimo na alimentação da humanidade, revelando-se um dos alimentos mais antigos, com registos desde o inicio da História.

Actualmente, na população rural, ainda se apresenta como um dos alimentos base, da dieta alimentar.
Excelente fonte de próteinas vegetais, vitamina B1, fibras, solúveis e insolúveis, que se mostram eficazes no combate ao colesterol, sendo simultâneamente um óptimo fornecedor de energia e aliado na prevenção de doenças cardiovasculares, devido à presença do ácido fólico e magnésio.

O feijão, pode-se dividir em dois grupos - de trepar - e - rasteiro -
No feijão rasteiro, encontramos como variedades mais comuns entre nós , a "Feijoca", "Frade", "Manteiga" e o "Preto".



Feijão de trepar, na disposição de canas, tradicional.
No feijão de trepar, encontramos o vulgarmente chamado "feijão verde".
Penso que esta definição se deve ao facto, de ser esta variedade, especialmente dirigida para o consumo em verde.
No entanto , o seu cultivo requer uma maior disponibilidade hídrica, com maior frequência de rega.
Devido ao seu maior desenvolvimento vegetativo, é necessário, após a sacha, logo que comecem a surgir pequenas guias, a colocação de empas...canas, por onde irá trepar.

O piolho do feijão, apresenta-se como a principal praga a combater...pequeninos pontos negros que vão cobrindo as folhas, entorpecendo o seu desenvolvimento...pulveriza-los com Décis resolve  o problema. No doseamento,como referencia, normalmente utilizo a tampo do frasco,uma tampa cheia, diluido por cada 10 litros de água.
Consumido, preferencialmente em verde, é também depois de seco, largamente utilizado na alimentação...quem não aprecia uma boa sopa de feijão seco..!?
Se a intenção, é armazenar para o ano inteiro, então, deve-se colher o mais seco possível...debulha-lo...e expor novamente ao sol , durante dois ..três dias..até que se apresente bem seco.







O feijão rasteiro, destina-se geralmente, ao consumo em seco.
Feijão rasteiro
Quando em verde, de um modo geral, as vagens começam a ficar rijas e fibrosas, mais precocemente .

Pessoalmente, faço a colheita, quando as mesmas já se encontram cheias, num estado de semi-maturação, ainda não demasiado rijo, debulho-o e congelo-o, sendo muito útil para a confeção de sopa, com tempo de cozedura muito inferior, a se estivesse seco.

A congelação, pode ser feita direta, em pequenos sacos individuais, ou com um prévio escaldão, emerso dois a três minutos em água a ferver, arrefecido posteriormente em água fria, e embalado.




O cultivo do feijão, inicia-se pelo mês de Março e pode ir até Setembro, o processo obedece sempre ao mesmo principio - não deixar a semente em contato com o fertilizante -.
Cobrindo o fertilizante para colocar semente
Colocando as sementes nos espaços intermédios entre fertilizante, ou cobrindo-o primeiro com um pouco de terra, e depois as sementes.

Aplicação do fertilizante

Semente, no espaço entre fertilizante
Semente, por cima de fertilizante já coberto
Embora o faça dos dois modos, penso que o ultimo favorece mais o acesso ao fertilizante, visto que se encontra imediatamente abaixo da semente.

A sementeira pode fazer-se em covatos ou regos, conforme o critério , enterrando as sementes, dois a três centímetros.

A quantidade de sementes a utilizar por cada covato, (5...6) ,ou rego, deve ser sempre por excesso, o feijão, principalmente se o tempo se apresentar frio e chuvoso, falha muito a germinação, aconselhando a cobrir com plástico de modo a estimular o processo.



Na  monda, se for o caso, retiram-se as plantas em
excesso de modo a que  o espaço intercalar ,entre cada um, seja cerca de oito...dez centimetros...muitas plantas juntas não é sinónimo de maior colheita, pelo contrário, acotovelam-se umas ás outras com produção muito deficiente.


Na floração, as temperaturas demasiado altas durante a tarde, requerem que o mesmo seja burrifado, pulverizado, pelo menos duas vezes durante esse periodo, caso contrário a produção ficará comprometida.



Leiras
Aquando a sacha, será formada uma tipologia de pequenas leiras, (pequenas áreas, courelas, circunscritas por um sulco de terra, de modo a reter a água no seu interior) orientadas para a rega a fio.


Aspeto geral
Este ano, pondero instalar um sistema de rega localizada, pelo que semeei em regos contínuos, longitudinais, de modo a facilitar-me a instalação do sistema , proporcionando-me também, usufruir da ajuda mecânica do motocultivador.







Por outro lado, esta disposição...uma tipologia diferente do tradicional, permite-me também experimentar no feijão de trepar, um outro modo de colocar as canas....criando um aspeto visual diferente.
Disposição longitudinal das canas
Atilhos plásticos
Disposição longitudinal
Pormenor de suporte

Estaca com prego de suporte
Estaca com prego de suporte

Os atilhos plásticos, usados para unir as canas, devem ser no minimo de 20cm e podem-se adquirir nas lojas dos chineses a menos de um euro por embalagem de 100.
A qualidade, resistência, deixa a desejar, mas para o efeito servem.

Guias, fixas com pedaço de plástico

Guias, fixas com pedaço de plástico



As canas devem ser colocadas quando se começa a verificar o desenvolvimento das guias do feijão, 15 a 25 centímetros, enrolando-as, em torno das mesmas, se necessário, auxiliando a sua fixação com um pequeno pedaço de plástico ou ráfia, com aperto suave para não danificar a planta.



O consumo do feijão pode ser feito em  verde, vulgarmente conhecido por "feijão verde", em que as vagens apresentam ainda uma elevada tenricidade.






Mais tardiamente, debulhado, e nesta fase  já se encontra num estado bastante avançado de maturação, o chamado "feijão louro"...muito próximo de começar a ficar seco.
Colhido nesta altura, debulham-se as vagens, conservando-se congelado durante vários meses.
A colheita deve ser feita quando a vagem já vai perdendo a sua viçosidade, para assim ser mais fácil de abrir...descascar. 




Sendo um cereal, o processo de maturação conclui-se  aquando seco, sendo esta carateristica que possibilita o seu armazenamento durante o ano inteiro, possibilitando assim uma reserva alimentar.







Á semelhança de outros cereais, a colheita é feita no Verão,  meados de Agosto...pela manhã, bem cedo, antes do Sol nascer, para evitar que no manuseamento, as vagens ressequidas se abram e soltem os grãos.




Pode-se colher apenas as vagens, ou mais prático, toda a estrutura vegetativa da planta, arrancando, ou partindo, conforme se trate de feijão rasteiro ou de trepar, depois é feito o  transporte para a eira , onde fica um dois dias a acabar de secar, seguindo-se a debulha...malhando ou pisando, até que se verifique a separação dos grãos.
Tenho memória, que no tempo dos meus avós, determinados cereais  como as favas...eram os animais, éguas..mulas... que debulhavam, troteando em círculos á volta da eira, pisando, debulhando, presos pela rédea á pessoa que se encontrava no centro do circulo.
No entanto, o "malho" era o utensílio utilizado para manualmente debulhar, malhar, os cereais...utensílio simples, mas eficaz, composto por dois paus, um, o cabo, com cerca de dois metros, e outro, mais pequeno, o malho, bastante mais curto, 70..80cm, podendo ser mais espesso, ligados entre si por um entrelaçado de couro.
Depois de malhado tem de se limpar..separar os grãos da palha, inicialmente com um ancinho...uma vassoura..vai-se retirando a parte maior...depois com um crivo,  utensílio tradicional de elevada importância, intimamente ligado ao anterior - um malha, o outro criva - .
Se  a perícia o permitir, á medida que se vai crivando vai-se também  mandando ao ar...aproveitando a brisa do momento, para que o vento retire as pequenas partículas...pó, que possa existir.
Quando em grande quantidade, aproveitando a existência de algum vento, a limpa dos cereais também era feita à pá...elevando-a cheia, acima da cabeça, inclinando-a ligeiramente, oscilando-a  com pequenos impulsos, para que fosse caindo lentamente, de modo a que o vento o libertasse das pequenas partículas.
Atualmente existem máquinas com preços acessíveis, manuais e eletricas, de funcionamento simples, para proceder a esta operação.

Depois de limpo, fica espalhado ao sol,  mais dois...três dias, antes de se armazenar,
 ensacado.
Um dos inimigos mais temíveis dos cereais aquando armazenado, é o conhecido gorgulho...para evitar o seu desenvolvimento, diz a sabedoria popular que colocar o feijão seco , durante algumas horas num congelador, é remédio eficaz.



MEDICAMENTOS…IMPORTANTE…!

Divulguem esta importante informação, o preço dos medicamentos genéricos varia consoante o laboratório que os fabrica e comercializa, no regime especial (pensionistas) muitos podem ser adquiridos a custo zero...a variedade de preços é enorme..o mesmo medicamento pode ser adquirido por 4 € ou por 0.40 €, basta pedir na farmácia o medicamento com a respetiva substancia ativa, receitada pelo médico, de preço mais reduzido.
Consultando o site do Infarmed http://www.infarmed.pt/genericos/pesquisamg/pesquisaMG.php pode-se pesquisar qual o mais barato, o mesmo fornece a lista completa, atual, de todos os laboratórios que o comercializam e os respetivos preços praticados, possuindo cada um , um numero de referencia que pode ser utilizado para identificar o medicamento quando nos dirigimos á farmácia, ou então mencionando o nome do laboratório...se a farmácia não tiver disponivel - o que acontece muitas vezes, tentando vender outro mais caro - tem obrigatoridade de o disponibilizar num prazo de doze horas. Familiares de idosos em lares de terceira idade, questionem que medicamentos estão a adquirir...marca ou genéricos..e de que preço...serão dos mais baratos !?
Acreditem que a surpresa pode ser muito desagradavel ...!
 


36 comentários:

  1. O feijão é uma leguminosa, não um cereal é verdade. Este artigo embora bastante completo na forma como tratar e armazenar o feijão, esqueceu um pormenor importante, convém dizer qual é a variedade de feijão que está a cultivar, porque ha feijões que só se comem em verde e depois em secos não prestam, outros é o contrário. Neste caso acho que cultiva a mesma variedade que eu, que é um feijão de trepar riscadinho(lamento mas não conheço o nome)que pode ser consumido de ambas as formas. o seu "encanado" é muito bom e é feito em muitos locais assim, actualmente surgiram no mercado redes de plastico com quadrados de 1 dm quadrado que facilitam essa tarefa no caso de usar rega gota-a-gota e fazer regos longitudinais(como eu..)só precisa de colocar umas estacas de 2 em 2 m de pois agrafar ou pregar a rede (ao alto. tem 1,75 m ,chega perfeitamente..)e poronto... depois é só deixar crescer... e matar os piolhos!!!

    ResponderEliminar
  2. Sim, tem razão de ser a sua observação…mas de uma forma geral, as variedades mais comuns que podemos encontrar de forma expressiva na alimentação tradicional no meio rural, podem -se comer tanto em verde como em seco. Acontece, é que algumas variedades dadas as suas características são mais apropriadas para colher numa ou outra situação…. A feijoca, por exemplo, de desenvolvimento rasteiro, em verde, tem um tempo bastante curto onde se permite colher tenro, começando desde logo a desenvolver massa fibrosa…feijão branco, feijão -frade, catarino…são variedades que se podem colher em ambas as situações… sim, a título de exemplo, o apreciado feijão manteiga, é apenas adequado para consumir em seco…são inúmeras as variedades de feijão conhecidas, cada uma com sua característica. Quanto “as redes” que refere para suporte do feijão, conheço a sua comercialização…no entanto o objetivo deste blog é também mostrar que existem alternativas ao que se comercializa…de forma económica, sem custos, quer reciclando, quer utilizando o que a natureza gratuitamente põe ao nosso dispor… evitando-se também o emaranhado de plástico com a rama do feijão no final de cada colheita, inutilizando a palha, que pode ser utilizada nos currais dos animais domésticos, posteriormente transformada em estrume.

    ResponderEliminar
  3. Parabèns, estou a gostar muito do seu blog, para quem está a aprender como eu é muito útil.
    Não resisti em comentar, foi falado no piolho do feijão, alem da lagarta que tambèm existe, seria interessante explicar como se combate estes infestantes (?) para um leigo como eu seria de muita utilidade.Obrigado pelas dicas.

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, agradeço a observação e de algum modo já corrigi essa lacuna. O combate ao piolho faz-se eficazmente pulverizando-o com Décis. No doseamento,como referencia, normalmente utilizo a tampo do frasco,uma tampa cheia, diluido por cada 10 litros de água.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para o piolho, nada melhor que água e sabão azul e branco... 10g por litro de água. Dissolve-se em água quente (mais rapido) ou fria. Estando a mistura fria pulveriza-se os feijoeiros.
      Com Decis envenena a terra matando-a...

      Eliminar
    2. ... e se mata a terra, mata-se a si e as gerações futuras,,,

      Eliminar
  5. Antes de usarem o Decis leiam este artigo: http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/1725/agrotoxicos-efeitos-sobre-a-saude.
    E talvez comecem a lavar os insectos com água e sabão, ou até mesmo com piretos naturais...

    ResponderEliminar
  6. É sabido que todos estes produtos de carater tóxico não acrescentam beneficio nenhum á saude humana...no entanto,como já lhe fiz notar anteriormente, o meu caro(a) amigo deixa claramente antever, desconhecer o contexto da realidade de uma agricultura artesanal, ondeo Décis e afins , são aplicados quase de forma cirurgica, em pequenos focos de infestação, com quantidades tão reduzidos em que a ideia que quer transmitir não faz sentido...por outro lado estas infestações verificam-se numa fase muito precoce de desenvolvimento da planta, muito longe do periodo fértil. Embora se possa verificar a existencia residual do produto, ela será em quantidades tão diminutas que até a sua existencia será dificil de detectar. No entanto compreendo o seu ponto de vista...não deixando de referir que no contexto socioeconómico em que vivemos,com parte da população sem recursos finaceiros, a passar fome, sem acesso a bens alimentares -não me parecendo falizmente ser o seu caso- talvez a sua opinião de mostre um pouco desasjustada, sendo que o espirito deste blog vai no sentido de contribuir para minorizar esta situação...sem demagogias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em pleno consigo. Continue com o seu excelente trabalho e muito obrigado pela ajuda.

      Eliminar
  7. Tenho uma receita muito boa para matar esses pulgões e que em nada danifica o meio ambiente ou a nossa saúde.
    Apanhe e corte em pedaços folhas de tomateiro. Encha 2 malgas e adicione 2 malgas de água. Deixe assim ficar de um dia para outro. Então, coa e adicione mais 2 malgas de água. Verta o líquido para um borrifador e borrife as plantas afectadas por esse pulgão. Verá que morrem.
    Na minha plantação só o fiz 2 vezes e acabei com esses danados.

    ResponderEliminar
  8. O seu blog realmente tem coisas interessantes. É pena que não invista um pouco do seu tempo na pesquisa e utilização de receitas caseiras nos tratamentos das suas culturas. O contexto socioeconómico é mais uma razão para insistir nessas receitas pois elas acabam sempre por ser menos dispendiosas do que os produtos que sugere. A demagogia tem vários sentidos, e a única que reconheço nesta discussão é mesmo a sua, usando a "desculpa" da crise para justificar o uso de produtos tóxicos. Até porque não acredito que haja alguém com culturas que passe fome, sejam elas com ou sem produtos tóxicos. E sim, conheço os tais métodos "cirúrgicos" e continuo a não concordar com eles. Continuo a achar que o seu blog realmente tem coisas interessantes, mas dado que este está acessível a qualquer pessoa, acho que deveria pensar duas vezes no que defende. Talvez pudesse deixar de lado essa perspetiva e cultivar coisas mais saudáveis (para si e para os que bebem da sua informação) num contexto mais sustentável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós próprios quando estamos doentes o que nos receita o médico? Quimicos. E não é por isso que ficamos intoxicados. Presunção e água-benta, cada um toma a que quer!!!

      Eliminar
  9. Bom Dia. Todos os anos semeio feijão nos espaços disponiveis em volta da casa... este ano o feijão já vai alto,perto de 1,50m (?) mas ainda não têm uma única flor; num blog que vi alguem dizia que o excesso de calor pode fazer isso, será?
    Obrigado pela sua resposta.

    ResponderEliminar
  10. Agradeço a sua questão,que é de elevada importancia, e por lapso não abordei...a realidade é a que acaba de referir...na floração, temperaturas demasiado altas, provocam esse efeito, o modo de o contrariar com optimos resultados, consiste em burrifa-los, molha-los, no periodo de maior calor,durante a tarde, no minimo duas vezes..espero ter ajudado.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  11. receita em três dez, sem quimicaria

    ingredientes:
    6 dentes de alho (cortados aos pedaços) + 1 piri piri + pedaços de sabão azul + 5 litros de água

    processo:
    juntar os ingredientes, coar e borrifar abundantemente os feijões verdejantes

    voilà, fácil e barato!

    ''No entanto compreendo o seu ponto de vista...não deixando de referir que no contexto socioeconómico em que vivemos,com parte da população sem recursos finaceiros, a passar fome, sem acesso a bens alimentares''

    Sim mas a agricultura não é 'actividade' do agora, nem 'população sem recursos financeiros' é fenómenos novo. Questiono-me onde iam os antigos buscar o Décis - e que nome tão bonito (ironia) para Deltamethrin.
    E essa mesma 'população sem recursos' que se auto envenena acabará a gastar mais na própria saúde.

    o termo que se usa 'curar' é muito interessante, fazem-nos crer numa 'cura' quando é exactamente o oposto: 'veneno'

    saudações!

    ResponderEliminar
  12. Vivo ca em Tomar, e embora as minhas culturas sejam em hidroponico e aquaponico (o que a partida elimina logo meia duzia de doenças) tenho uma praga nos feijoes que nao sei que porra é esta, ja estourei um frasquinho de extracto de NIM e nao resolveu.

    Deixo umas fotos, se puder ajudar e dar um conselho de cura, biologico ou nao, quero é safar os feijoes:
    https://www.copy.com/s/7UvvHn7EJKGi/Feijoeiros

    Cumprimentos,
    Adalberto M. Pereira

    ResponderEliminar
  13. ola a todos vivo nos açores mais propriamento na ilha de sao miguel e como deveis saber sofremoos muito com humidade o que favorece o aparecimento do piolho o que nos usamos para o combater e fary azul,tambem usamos cha de sementes de urtigas que e uma planta brava.

    ResponderEliminar
  14. Olá gostaria de uma solução para o problema dos feijoeiros do anónimo de tomar porque tive o mesmo problema,já agora qual é a doença,obrigados

    ResponderEliminar
  15. Boa noite...meus amigos, pessoalmente não sou adepto de curas...principalmente quando se entra no campo das doenças que não se sabe muito bem o que é....nessa situação, tento mimar um pouco...rega, fertilizante e deixar que natureza faça o resto...se entretanto vir que a colheita está perdida, volto a semear.
    Não prescindo de usar produtos quimicos, mas faço-o sempre com enorme ponderação...não devemos abusar deles...afinal um pouco de feijão tbm não dá assim tanta despesa ou trabalho a semear...nova sementeira, é o meu conselho !
    Agradeço a partilha do nosso amigo açoreano...certamente irei experimentar...no entanto o fary, é tbm um produto quimico de limpeza mt concentrado, não sei se a ideia de o aplicar é boa.
    Bem haja, para os Açores !

    ResponderEliminar
  16. Ao 1º sinal de piolho preto, raspa um pouco de sabão em barra e dissolve com limão e água, pulveriza com um burrifador na hora da tarde, 3 dias deopois repete se necessário. Se está muito afetado, recorre à quimica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Miguel, podia informar qual a hora da tarde que aconselha e quais as proporções do sabão, do limão e da água de forma a obter maior eficácia?

      Eliminar
  17. Boa noite!
    Costumo ter no quintal feijoeiros com rede e com estacas em simultâneo e notei que a produção é maior com estacas. A todos obrigada pela partilha dos conhecimentos e experiências!

    ResponderEliminar
  18. obrigado pelo seu blog ...dá conhecimentos aos outros...gratuitamente...

    ResponderEliminar
  19. Fico contente por saber que valeu a pena.
    Obrigado pelo vosso reconhecimento.

    ResponderEliminar
  20. Boas tarde, poderia dizer-me se se pode aplicar o veneno que referiu para o piolho do feijão quando o feijão já tem a vajem?

    ResponderEliminar
  21. Sim, pode. Depois deve espererar oito dias para voltar a colher feijão.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  22. Boa noite
    gostava de conseguir cultivar feijão da trepa entre outubro e janeiro de uma maneira pouco dispendiosa
    qual a melhor maneira?
    cumprimentos

    ResponderEliminar
  23. boa noite,tenho uma pequena plantação de feijões de trepar e as folhas estão a aparecer todas comidas mas eu olho com atenção e não vejo lagartas nem outro insecto:o que fazer numa situação destas?

    cumprimentos

    ResponderEliminar
  24. Bom dia,
    Quanto ao feijão ter as folhas todas comidas e não ver lagartas nem insectos pode ser caracóis e lesmas que se escondem durante o dia e não se vêem, espero que esteja ajudado isso já aconteceu comigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem grânulos para lesmas e caracóis que se usa em quantidades pequenas na base da planta. Porem pode utilizar um pires com cerveja que também os atrai

      Eliminar
  25. Boa noite, pode-me falar mais do consumo de feijão em verde? Feijão-frade e chicharo entre outros

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  26. Boa tarde, caro Pedro.
    Diga-me o que pretende saber em concreto.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  27. boa tarde, comecei agora a ver o blog e estou adorando, sou açoreano sou de são miguel, se evitam usar quimicos, que alternativas usam para o sulfato de meter na batata, alhos e etc.. obrigado aguardando resposta

    ResponderEliminar
  28. Boa noite. Tenho uma duvida com respeito ao feijão preto à colher seco: a planta é rasteira ou devo colocar estacas pra ele subir? Muito obrigada.

    ResponderEliminar