Plantar tomateiros


Meados de Março, a final Abril,  é tempo para plantar...
Folha de couve para proteger do sol,
nos primeiros 2..3 dias


As pequenas plantas necessárias à plantação, ou se adquirem numa loja que comercialize produtos agro-pecuários...mercados...e normalmente já vêm bastante desenvolvidos, trazendo as raízes envoltas num pedaço de substrato que permite não interromper o processo de desenvolvimento ao serem transplantados, esta opção implica um senão, por vezes a variedade que o vendedor diz ser, não o é, e se procuramos alguma em específico, corremos o risco de ser enganados, o que lamentavelmente vamos descobrir quando começam a frutificar. 
Carteiras de semente
Para evitar esse desalento, prefiro adquirir carteiras de semente, onde se pode observar além da variedade, a descrição das suas características, e semear para obter as pequenas plantas.


Se estamos satisfeitos com a qualidade do tomate que plantámos, podemos de um ano para o outro, guardar a semente. 
Seleccionamos meia dúzia deles, os mais desenvolvidos, e esperamos que fiquem bem maduros, bem vermelhos, até começarem a ficar bastante moles.

Se o tempo ameaçar chover, será aconselhável colhê-los, para que não apodreçam, e guardá-los mais uns dias em lugar seco, depois é abri-los,  retirando a polpa interior que aloja as sementes, espalhando-a sobre um pedaço de tecido ,deixando secar ao sol, uma...duas semanas...ou em lugar seco e arejado,  guardando depois num recipiente fechado, num frasco...numa lata, longe da humidade, para semear no ano seguinte.



 Os alfobres, devem-se fazer durante o mês de Fevereiro, de preferência no início, para estarem disponíveis dentro da época.
 Utilizando um canteiro de terra, com boa exposição solar, mas de alguma forma abrigado, a que se junta uma boa quantidade  de estrume,onde se fará a sementeira. Pode-se também usar com óptimos resultados, uma caixa de esferovite ...madeira...com 2 ou 3 furos no fundo, cheia de substrato ou estrume curtido, se não estiver curtido, vai queimar as sementes. 
Esta opção é bastante prática, pois  permite manusear-se se necessário, para abrigar da chuva, ou procurar a melhor exposição solar.











 
As propriedades térmicas da esferovite,favorecem o efeito estufa,  ao cobrir-se a caixa com um  plástico transparente, mantendo entrada de ar, estimula a germinação e desenvolvimento das plantas, passada essa fase deve-se retirar o plástico.
As sementes são espalhadas á superficie, devendo ficar ligeiramente enterradas, 0,5 cm...01cm.
O substrato já deve estar húmido antes de semear, regando em abundância umas horas antes, depois pode-se regar um pouco, molhar superficialmente com um regador, ou espalhando com a mão um pouco de água, não exagerando, caso contrário as sementes podem apodrecer por excesso de humidade.





Para facilitar o processo de transplante de modo a menorizar os danos para as plantas, podem-se utilizar  pequenas covetes individuais, onde se faz a sementeira, colocando duas a três sementes em cada uma, considerando que nem todas vão germinar, depois pode-se optar por arrancar as excedentes, deixando apenas uma.











Os  módulos de covetes podem-se comprar, no entanto podemos reaproveitar pequenos copos de plástico...cortando-os com uma tesoura mais ou menos a três quartos e fazendo-lhe no fundo, alguns furos, com um pedaço de varão metálico aquecido, para drenagem da água...bem acomodados no interior do tabuleiro, cheios de estrume.













A urina, devido ás sua composição, nomeadamente, ureia, mostra-se um excelente fertilizante orgânico para canteiros, e para a horta em geral. 

No entanto, não se pode utilizar simples, é muito agressiva, mata as plantas, tem de se diluir pelo menos em quatro partes de água.
Improvisa-se um pequeno regador com uma garrafa de plástico, furando a tampa,  enfiando um pedaço tubo que permite aplicar sem molhar as folhas da planta e vai-se regando com esta mistura, consoante a necessidade.



Para retirar a planta, "desenformar", fica mais fácil se corta-mos um pouco o copo na vertical com um tesoura, para que as raízes não se soltem do pedaço de substrato que as envolve. Embora  cortados, podem ser novamente reutilizados.

Depois da terra preparada, abrem-se as covas, convêm que sejam de dimensão generosa, espaçadas cerca de 50...60 centímetros. Depois pode-se começar por encher a cova com alguma água, para que fique húmida, seguindo-se  um pouco de fertilizante químico de profundidade, se assim se desejar, como o " Foscamónio " e depois em abundância, o estrume...alguma cinza, procedente da queima dos residuos florestais,
cobrindo bem com terra, enchendo a cova, plantando de seguida . 
Devido há fragilidade das pequenas plantas, nos primeiros 2..3 dias, é conveniente protege-las do sol ,com uma folha de couve, feto...ou pedaço de feno, regando um pouco, dia sim, dia não.



A terra que se coloca dentro da cova, enchendo-a, depois do fertilizante...do estrume, serve para que as raízes da planta não fiquem desde logo em contacto directo com o mesmo, podendo ser agressivo.



O cultivo do tomateiro, não requer condições exigentes, para quem vive na cidade,  uma varanda com boa esposição solar...dois ou três vasos de tamanho generoso, uma planta por vaso e rega frequente, é o necessário para ter tomate fresco, durante o Verão.






O substrato a utilizar nos vasos, pode ser adquirido em qualquer loja de produtos ágro-pecuários ou jardinagem. Básicamente, pode-se utilizar uma mistura de terra com algum fertilizante orgânico

Logo após a plantação, deve-se acompanhar o  tomateiro, com uma estaca provisória, tutor, atá-lo com ráfia ou fio de plástico, elástico, que não danifica a planta e permite o seu desenvolvimento, não apertando, deixando os nós folgados. Esta pequena estaca, servirá de apoio na sua fase mais precoce de desenvolvimento, impedindo que se partam com o vento.


O tomateiro, aquando a rega, não gosta que se molhe as folhas, pelo que se deve ter algum cuidado, são muito sensíveis a esta situação, podendo mesmo originar a morte da planta.










Cerca de duas a três semanas, após a plantação, deve-se proceder à sacha, operação de importância acrescida, que consiste em remexer, escavar, o solo em redor da planta, proporcionando um arejamento do mesmo, ao mesmo tempo que se eliminam as ervas daninhas.
Esta operação deve ser repetida sempre que necessário, alem de eliminar as ervas, estimula o cescimento da planta.

Por esta altura, procede-se também a um adubamento de superfície, que poderá repetir, adicionando um pouco de Sulfato de Amónio , ou Nitrolusal, cerca de uma a duas, colheres de sopa, em redor da planta, afastado do caule, cerca de 08...10 cm, de preferência cobrindo depois com um pouco de terra, para evitar que o mesmo "espirre" para a folhagem.
O contacto directo ou doses elevadas, "queima" a planta. 
De seguida, se não estiver previsto chuva, deve-se regar , para diluir o fertilizante, repetindo dois a três dias depois.

Depois da sacha e adubagem, o desenvolvimento da planta será visível.







Estacas
As variedades de tomateiros, de forma geral, são plantas de grande desenvolvimento vegetativo, pelo que necessitam de uma estrutura de apoio, para suporte de ramos e frutos, caso contrário, os ramos ficam caídos e os tomates  em contacto com a terra, água, apodrecem rápidamente.





A forma mais simples, mas com alguns inconvenientes, pois não deixa a planta arejar, nem um saudável amadurecimento dos frutos, por défice de exposição solar, será uma estaca com cerca de 1.80 m, cravada na terra junto à planta, à qual, e há medida que a mesma vai crescendo, se vai atando com pequenos pedaços de ráfia ou fio plástico, elástico, não atar com outro, danifica a planta, e em simultâneo, exteriormente,   "abraça-se " a planta com outro pedaço de cordel, este sim, não precisa nem deve ser elástico. Há medida que se verifica o crescimento das hastes, coloca-se outro cordel, mantendo-a assim "abraçada" à estaca. No total, podem-se colocar, três ou quatro, consoante o seu desenvolvimento.

Na imagem seguinte, exemplifico uma estrutura mais complexa, que permite o arejamento da planta, entrada de sol, bastante mais trabalhosa, mas bastante mais eficaz, onde  plantas e frutos se mantêm saudáveis por muito mais tempo. 
Pode-se utilizar o que tiver-mos disponível, estacas...canas...estes elementos também se encontram à venda. 

Esta questão, da estrutura para os tomateiros, é sempre a parte que mais inquieta, devido ao trabalho que dá e há dificuldade em obter os materiais.. 






Por esse motivo, tenho vindo a fazer algumas experiências, tendo chegado a uma solução que me parece a melhor, económica e eficaz, exigindo muito menos trabalho, basta alguma paciência. 
Coloca-mos duas ou três estacas, dependendo do comprimento dos regos dos tomateiros, uma a cada ponta, outra ao meio. No fundo da estaca, junto ao solo, ata-se um arame, estendido de estaca a estaca, onde posteriormente vamos prender o fio elástico, que vamos enlear na haste do tomateiro, esticando e atando na cana do cimo. Este fio, compra-se em novelos que devem ter uns duzentos metros e custa cerca de 3€.
A meio da altura da estaca, vamos passar uma outra cana, amarrando com arame fino, que servirá para fortalecer a estrutura e se necessário, apoio para as plantas, onde se podem atar com um pedaço do mesmo fio. No cimo passamos uma ultima cana. Conforme o tomateiro for crescendo, de tempos a tempos, pegamos nas hastes, com cuidado, e envolvêmo-las no fio. Há medida que os frutos vão surgindo, com o peso, o fio vai cedendo um pouco, pelo que de tempos a tempos, é necessário ir  puxando e voltar atar, estando atento a essa situação.





















Inicialmente parecia-me que devido há elasticidade o mesmo não suportaria o peso dos tomates, embora cedendo um pouco, isso não veio acontecer, no entanto pode-se dobrar, ficando mais resistente.. Esta é sem dúvida uma óptima solução.




Durante o seu desenvolvimento, é sempre necessário efectuar um tratamento de prevenção contra algumas das doenças que a podem afectar como o Mildío.
Esse tratamento, deverá ser feito de dez em dez dias, pulverizando as plantas com calda bordalesa (recomendável) ou de quinze em quinze, com fungicida químico como o Milráx , a que se pode juntar um pouco de enxofre na mesma proporção( duas a três colheres de sopa, por cada dez litros de água, uma colher de sobremesa bem cheia, por cada litro ) esta aplicação deve ser feita aproveitando a frescura da manhã, ou ao entardecer.


Hoje foi dia de tratamento...

na preparação da mesma, deve-se dissolver o pó, dentro de um pequeno recipiente que pode ser um balde, com uma pequena porção de água, mexendo, com um pedaço de pau, por exemplo, de modo a ficar bem dissolvido, depois junta-se há água que já se encontra no pulverizador, volta-se a agitar, e acaba-se de encher, até completar os dez litros.


O tomate, é rico em fósforo, potássio, vitamina C, vitaminas do complexo B, verificando-se a presença de beta-caroteno, percursor da vitamina A.

Possui ainda propriedades anti oxidantes, devido há abundante quantidade de licopeno que actua no combate dos radicais livres. Prenvine o cancro da mama, da próstata e ovários mostrando-se ser também um auxiliar na defesa do organismo contra infecções, actuando ainda no combate ao colesterol.





A grande abundância de sais de cálcio, relacionados com reumatismo, artrites e cálculos, desaconselha o seu consumo em exagero,



Boa colheita !













21 comentários:

  1. Este foi o melhor blog que encontrei acerca de agricultura caseira. Estou começando agora e pouco percebo do assunto, por isso muito Obrigado por estas informações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço, e estarei ao dispor para ajudar no que me for possivel.

      Cumprimentos.
      serafcarvalho@gmail.com

      Eliminar
  2. Boa tarde também comecei á pouco tempo a tratar de um pequeno terreno que disponho, no inverno tive as famosas pencas de natal, e broculos. Atualmente tenho várias especies agriculas em estufa. também já procedi á plantação do cebolo gostaria de saber qual o sistema de rega do mesmo. Muito obrigado por partilhar o seu conhecimento com pessoas como eu que estão a começar aos "poucos" a plantar.

    ResponderEliminar
  3. Boa noite Catia
    Quanto á rega do cebolo não sei quais as infra-estruturas que possue...um tanque !? Agua sob pressão !? Pretende um sitema automático com programador ?
    De uma forma geral o cebolo rega-se como as outras espécies...se pretende instalar um sistema de rega pode utilizar mangueira de rega com diametro de 12...16mm,dependendo da area a regar, onde tem a possibilidade de colocar vários pequenos acessorios, alguns com regulação de caulal, com efeito espersor...ou então basta fazer uns pequenos furos, 2..3mm, de diametro , espaçados cerca de 20...30 cm.
    Depois é só fazer passar a mangeira, serpenteando pela a area a regar. Os furos aconcelho a fazer com uma pequena broca de furar madeira..ou então um arame previamente aquecido.
    Espero de alguma forma ter ajudado...qualquer duvida estarei ao dispor.
    Cumprimentos.
    serafcarvalho@gmail.com.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Furos? Já há mangueira furada para gota a gota.

      Bom trabalho!

      Eliminar
  4. Caro anónimo...sim há mangueira furada para rega gota a gota...mas se pretender uma rega mais fluente, de maior caudal, não o há com essa dimensão de furo.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Tenho um terreno com cerca de um hectar onde tenho 2 pequenas estufas. egostaria de saber se dentro das estufas se utiliza os mesmos inseticidas como no exterior OBRIGADO

    ResponderEliminar
  6. Posso ainda plantar tomates em junho?

    ResponderEliminar
  7. Parece-me um pouco tarde, pois já se encontram em época de frutificação, no entanto como esse período se prolonga ate ás primeiras chuvas, tente, talvez resulte, plante plantas já bastante desenvolvidas.

    ResponderEliminar
  8. Parabéns pelo documento apresentado que me foi muito util.

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde, as folhas dos tomateiros estão a ficar enroladas, isto é alguma doença, que sugere?

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde amigo Vieira.
    Não é um sintoma saudável, as folhas enroladas, mas normalmente resistem, e não vem mal maior...dê-lhe alguma atenção, liberte-os de alguma folhagem junto ao solo, para um melhor arejamento, arranque eventuais ervas daninhas e mantenha rega suficiente.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  11. Blog fantástico

    Boa tarde Sebastião,
    Qual a quantidade recomendada de Foscamónio ou outro adubo químico por planta de tomateiro ou pimenteiro?
    obrigado


    ResponderEliminar
  12. Boa tarde, amigo Gnçalves.
    Isto dos fertilizantes químicos, quanto menos se utilizar melhor para a saúde. Depois de aberta a cova - o tomateiro e o pimenteiro, gostam de cova funda bem fertilizada - coloque no fundo, cerca de duas colheres de sopa, depois boa quantidade de estrume, tape com bastante terra, ate cobrir a cova de novo e plante.

    ResponderEliminar
  13. Oi bom dia
    Tem dois pes de tomates grande e bonitos so que agora estão ficando com as folhas todas amarelas,oque deve fazer?

    ResponderEliminar
  14. Oi bom dia
    Tem dois pes de tomates grande e bonitos so que agora estão ficando com as folhas todas amarelas,oque deve fazer?

    ResponderEliminar
  15. Boa noite, Claudia.
    Por esta altura, em Novembro, com o inverno nas proximidades, tomateiros só em estufa. No entanto, pondo a hipótese de se encontrar do outro lado do oceano, onde o verão impera...alem de outras maleitas onde pouco ou nada há a fazer, normalmente as plantas apresentam folhagem amarelecida, por excesso ou falta de agua, assim como fraca exposição solar...a sacha pode ajudar, permitindo uma melhor penetração dos raios solares no solo junto ás raízes, completando com um pouco de adubo de superfície...pode também retirar as folhas mortas junto ao solo, permitindo um melhor arejamento da planta.
    Espero que resulte !

    ResponderEliminar
  16. Excelente ensinamento, obrigado por toda esta explicação, e por todo o trabalho que teve na elaboração deste artigo.
    A partir daqui toda a gente pode cultivar tomates com alguma facilidade.
    Eu já cultivo tomates há alguns anos, e confesso"! aprendi muito com esta explicação (ensinamento)

    ResponderEliminar
  17. parabéns e obrigado pela informação que disponibilizou para quem, como eu, é um saloio da cidade e não percebe da coisa.
    enchi uma caixa de arrumação com 50 litros de terra e plantei dois tomateiros, penso que da mesma espécie dos seus, tomate marmande (não sei o nome em português), no fim de Março.
    sou agricultor de varanda, que tem uma boa exposição solar e conto lá mais para o verão ter tomate fresco, inspirado por blogs como o seu.

    ResponderEliminar
  18. Parabéns pelo artigo, excelente! A estrutura para segurar os tomateiros é muito engenhosa, vou tentar praticar. Muito grato pela partilha Sebastião!

    Só uma crítica, construtiva claro: ao invés de usar produtos da Bayer, sempre pode fazer chorumes caseiros para evitar as doenças. Menos dispendiosos, amigos do ambiente e divertido. Para o míldio sei do chorume de feto por exemplo (entre outros). Sempre há a calda bordalesa que também não é má opção!

    Bem haja

    ResponderEliminar
  19. Amigo André,agradeço o seu comentário, pois também eu tenho vindo a experimentar e a constatar que por exemplo a calda bordalesa se mostra uma excelente opção na vinha e na horta para combater e prevenir o míldio. A informação disponibilizada no blogue carecida dessa atualização. Obrigado e cumprimentos.

    ResponderEliminar