Apanha...colheita da azeitona e fabrico do azeite








Este será um ano de produção atípica...normalmente as oliveiras "carregam" de dois em dois anos, mas a excelente floração deixava adivinhar um segundo ano consecutivo de boa colheita.

Não se tratando de produção com fins comerciais, não utilizo qualquer tipo de fertilizante químico ou produto fito sanitário para controlo de pragas, a produção está totalmente dependente dos factores naturais.


.

A  oliveira Galega, de carateristicas rusticas, não requer cuidados especiais...manter o terreno limpo, poda e limpa , será o suficiente para que trinta a quarenta árvores de porte médio, produzam quantidade suficiente para consumo familiar. Podendo esperar-se uma colheita de 400 a 500kg , com uma rentabilidade média de produção de azeite na ordem dos 10% ...12%, podemos obter cerca de 40 a 50 litros de azeite.

Recordo que meus pais iniciavam a colheita da azeitona no mês de Novembro e que se prolongava até finais de Dezembro, inicio de Janeiro em que a azeitona se encontrava completamente madura, preta.
Actualmente sem qualquer tipo de tratamento fito sanitário a azeitona vitima das mais variadas maleitas, com o avançar do processo de maturação, deteora-se, cai da árvore, mostrando-se a melhor altura para a colheita, meio verde meio preta, quando ainda se encontra sã, conseguindo-se assim um azeite de qualidade excelente.

No entanto , anos há, devido a condições climatéricas desfavoráveis, logo no inicio do processo de amadurecimento, começa-se a deteorar -gafar- . À medida que vai amadurecendo vai tambem "apodrecendo" soltando-se da árvore.
Nestas circunstancias o melhor mesmo é colhe-la, mesmo que se apresente bastante verde.
O azeite, será um azeite com "verdum"...aroma a verde, muito fino , 0.2...0.5 décimos de acidez, o aroma desagradável a verde, com o tempo vai-se diluindo, acabando por desaparecer quase na totalidade, para isso há que deixar os recepientes de armazenamento abertos, cobertos apenas com um pano.
Será um erro, esperar que amadureça, será uma colheita perdida...vai cair toda.
Na duvida, em relação ás que já se encontram com aspeto deteorado, podem ser colhidas...não será uma otima opção, mas na verdade a qualidade do azeite obtido parece não ser afetada.

Para obter um produto de excelência há que ter em conta alguns procedimentos de elevada importância, nomeadamente, aquando a colheita, proceder logo que possível á limpa da azeitona, de preferência ao final de cada dia , no máximo a cada dois dias, pois a azeitona demasiado tempo misturada com a folha começa aquecer e a deteorar-se, alterando o sabor e fazendo subir o grau de acidez .
Depois de limpa deve se proceder ao seu adequado armazenamento, permitindo-lhe manter as suas caracreristicas inalterados, por um período de tempo que também não se deve alongar demasiado, no máximo, uma a duas semanas. Devido à sua constituição enzimática o seu tempo de vida é relativamente curto. 
Deve-se armazenar em sacos de plásticos próprios para o efeito.
Depois de se colocar nos sacos a quantidade desejada, deve-se calca-la, acomoda-la com as mãos, atando-os de seguida com um cordel, bem apertado,de modo a não permitir entrada de ar.

A moagem da azeitona requer uma marcação prévia, deve ser feita logo no inicio de cada época, mesmo antes do lagar começar a laborar, quase sempre nos dias que antecedem o inicio da laboração já por lá se encontra o responsável, que procede a esse registo.

Serviu-me de lição a inexperiência do primeiro ano, em que só depois da azeitona colhida fui procurar um lagar para a moer, deparando-me com agendas cheias, o demasiado tempo de espera , de armazenamento, resultou num produto sem qualidade impróprio para consumo .

Actualmente como medida de prevenção adoptei um sistema que me parece eficaz, tendo em conta eventuais imprevistos que de alguma forma podem por em causa a capacidade de se ter a azeitona
disponivel para o dia agendado, faço várias marcações, duas ou três, utilizando assim a que me for mais conveniente.


Antes de iniciar o registo desse processo, achei interessante pesquisar e partilhar um pouco um pouco da sua história...

Há cerca de 5 mil anos, já os fenícios os sírios e os arménios o consumiam azeite, mas parece que não se sabe em concreto qual a sua origem, sendo que "Azeite" deriva do vocábulo árabe "Az-zaite" que significa sumo de azeitona, tendo sido a oliveira uma das primeiras árvores cultivadas no Mediterraneo Oriental, sendo os gregos e os romanos a traze-la para a Europa.

Ao longo de uma boa parte da história da humanidade o azeite sempre teve um papel de importante tanto na alimentação como na medicina, sendo utilizado no alivio de dores e tratamento de feridas, estando as suas propriedades relacionadas com a longevidade, aumentando a expectativa de vida, sendo considerado um óleo sagrado.

Numa determinada região, no interior da Grécia, as pessoas viviam em média mais de cem anos , investigadores concluíram que se devia à ingestão diária, de um cálice de azeite em jejum.

Hoje a ciência comprova a relação do azeite com a longevidade, prevenindo doenças, aumentando a expectativa de vida, tendo-se provado que a azeitona comporta o elemento base da aspirina - ácido acetilsalicílico.
Nas doenças cardio-vasculares, mostra-se ser uma importante medida preventiva e curativa, devido à sua actuação como estimulante na segregação biliar, optimizando a destruição de gorduras .
Na prevenção de ulceras, pode ser ingerido antes de uma refeição "pesada", ou da ingestão de bebidas alcoólicas, actuando como protector das mucosas do estômago.
A presença da vitamina E e do alfacoterol, atribui-lhe um papel importante na manutenção das células nervosas e do cérebro, retardando o envelhecimento. Em determinada zona do interior da Grécia verificava-se que a esperança média de vida era superior a cem anos, investigadores relacionaram o facto com a ingestão de uma pequena quantidade de azeite em jejum.
Ao pequeno almoço, ao lanche, surpreendam o vosso paladar, façam a experiência com os vossos filhos, substituam a manteiga nas torradas, por um fio de azeite fino, vai ser uma agradável surpresa.

O azeite, tem no ácido oleico, uma das suas propriedades mais relevantes, permitindo-lhe ser uma saudável fonte de energia, devido ao seu fácil metabolismo.


Também as suas propriedades cosméticas são reconhecidas, protegendo a pele, conservando a sua juventude, proporcionando

Actualmente no nosso País foram implantadas várias variedades de azeitona, direccionadas para uma produção intensiva , no entanto, embora de menor rentabilidade é da "azeitona galega" tradicional do nosso País, que se obtém um azeite de excelência, dos melhores do mundo, elemento importante da dieta mediterranea.


O fabrico do azeite inicia-se com a colheita da azeitona.
Estendem-se mantas, panos, debaixo da oliveira, em tempos idos, dificeis, as pessoas utilizavam os lençois de linho das camas para o efeito, hoje utilizam-se mantas de rede fina, plástica, com as dimensões pretendidas e fáceis de manusear que se podem adquirir em qualquer loja de produtos agropecuarios.

Este ano adquiri uma de 6mx6m para as árvores mais pequenas e uma de 8mx8m para as maiores, pareceu-me ser uma escolha acertada, com dimensão suficiente, embora haja outras disponíveis. Os preços rondam os 25€ para a menor e 35€ para a maior.

Depois de estendida a manta, com uma vara, que pode ser obtida a partir de eucalipto, seco, vai se batendo a ramagem de modo a provocar a queda da azeitona.
Outra opção é  subir à árvore e ao seu redor, ripar os bagos com um pequeno gadanho de plástico. É bastante rentável e de menor esforço, com menos danos para a árvore.

Actualmente já existem disponíveis no mercado, máquinas que podem auxiliar esta tarefa mas dado o seu preço elevado não sei se compensa para uma agricultura familiar.



Depois de colhida e junta, a azeitona tem de ser limpa, separada das folhas e pedaços de rama , escolhe-se os pedaço de rama maiores sendo a folha retirada depois na máquina de limpar. Prática de fácil manuseamento, mostra-se muito útil, custando cerca de 250 euros.

Outra opção será limpar manualmente, colocando a azeitona num monte e com uma pá, em pequenas quantidades, mandá-la  pelo ar, contra o vento, para cima de uma outra manta, colocada a alguma distancia, cujos bordos tem de ser levantados cerca de 50 cm, para que azeitona não salte fora. Podendo-se utilizar as varas , apoiadas nas extremidades, sobre as quais se faz passar os bordos da manta.
 As folhas e outras impurezas, sendo mais leves libertam-se, ficando a azeitona limpa, no entanto deve-se observar se algum padaço de ramo ou folha, passou.
Deve-se ensacar só quando estiver bem limpa.




No lagar começa por ser pesada. Por cada quilo , actualmente o lagar cobra 0.09 €, (maquia) para a moagem.
Depois entra no processo de transformação, os sacos são despejados numa tina em formato de funil, posteriormente é lavada, e conduzida ao moinho, do moinho sai em pasta e entra numa amassadeira que a vai movendo e adicionando um pouco de água quente enquanto aguarda a entrada na centrifugadora. Nesta máquina, cujo funcionamento se assemelha a uma máquina de lavar roupa, no processo de torção, com velocidade de rotação elevadissima, que vai extraindo todo o liquido. 
O bagaço, parte sólida que resta, é expelido para o exterior. 
O liquido obtido (sumo da azeitona) é agora conduzido para outra máquina, que fará a separação do azeite.
Também com principio de funcionamento centrifugo, onde , para facilitar o processo, vai sendo adicionada alguma água quente a cerca de 40º. Quando a temperatura é muito elevada, escalda demasiado o azeite , retirando-lhe propriedades.

Depois de vários dias de trabalho árduo, fomos compensados com 150 litros de azeite puro, de qualidade excelente, com acidez de 0.6 º.

Na verdade, o fabrico do azeite consiste no esmagamento das azeitonas para obtenção do seu sumo, depois separa-se o liquido da parte sólida, adicionando também alguma água quente, que nos lagares tradicionais era feito por prensagem, deixando que o mesmo repousasse durante algum tempo nas tulhas (depósitos) sendo o azeite mais leve, pelo processo de decantação, começava a juntar-se à superfície, e por baixo o restante liquido.


Existem azeites de várias caracteristicas, dependendo da variedade de azeitona e região, sendo que o azeite proveniente da azeitona galega, mostra ser um produto equilibrado, suave ao paladar de aroma frutado com baixa acidez .
Dependendo dos gostos e da utilização, um bom azeite pode ir das duas décimas de acidez aos dois graus, sendo que um azeite fino se mostra mais benéfico para a saúde.

A acidez, define-se como a percentagem do ácido oleico existente, acido gordo livre que se liga com facilidade a outros compostos, como o ar, originando péroxidos, cujo nível, indica o estado de oxidação do azeite, a redução dos mesmos, traduz-se num outro conjunto de compostos, que designa-mos "ranço" verificando-se a oxidação do azeite.

ATENÇÃO AOS LAGARES !!

O azeite que a azeitona devia ter dado !
Para os lagares depois da azafama da colheita encaminham-se centenas de quilos de azeitona, mas na maioria das vezes o azeite que se traz de volta é "minúsculo" 10...11 litros por cada cem quilos....de tempos a tempos lá vem um ou outro todo contente, deram-lhe 13 litros...as razões, essas, o lagareiro em jeito de grande seriedade lá vai argumentando em tom de desabafo "...está a fundir pouco...esta deu bem. " é conversa ouvida !! 
Nas proximidades, o amigo Alberto Marques, da zona de Alpiarça vai dando testemunho...por cada cem quilos de azeitona da mesma variedade e até com bastante menos maturação, vai carregando do lagar em Pernes 14...15 litros de azeite pelos mesmos cem quilos...então o que está errado ?!...porque alguma coisa está...não deviam as autoridades competentes, GNR e ASAE, estar atentas, e fiscalizar o modo como este processo decorre, de modo a serem cumpridos todos os critérios no processo de fabrico ?!
Entretanto não pensem duas vezes, façam como eu, somem mais uma canseira e carreguem os sacos para Pernes,  talvaz valha a pena e Tomar não fica assim tão longe...logo direi..


                                       

FIO DOURADO

  • R. S. Simão - Comeiras de Baixo
  • 2000-694 Pernes

  • +351 243 449 698
  • +351 243 440 463
  • +351 243 440 464
  • azeite_quintadojuncal@hotmail.com
  

Sei que o sistema de envio de comentários não facilita muito nesse sentido, mas quando me dirijo a vós gostava que tivessem  um nome e não "anónimo"...ao entrarem como tal , sempre podem assinar os comentários.
A todos, agradeço as felicitações pelo blog.
Abraço



MEDICAMENTOS…IMPORTANTE…!

Divulguem esta importante informação, o preço dos medicamentos genéricos varia consoante o laboratório que os fabrica e comercializa, no regime especial (pensionistas) muitos podem ser adquiridos a custo zero...a variedade de preços é enorme..o mesmo medicamento pode ser adquirido por 4 € ou por 0.40 €, basta pedir na farmácia o medicamento com a respetiva substancia ativa, receitada pelo médico, de preço mais reduzido.
Consultando o site do Infarmed http://www.infarmed.pt/genericos/pesquisamg/pesquisaMG.php pode-se pesquisar qual o mais barato, o mesmo fornece a lista completa, atual, de todos os laboratórios que o comercializam e os respetivos preços praticados, possuindo cada um , um numero de referencia que pode ser utilizado para identificar o medicamento quando nos dirigimos á farmácia, ou então mencionando o nome do laboratório...se a farmácia não tiver disponivel - o que acontece muitas vezes, tentando vender outro mais caro - tem obrigatoridade de o disponibilizar num prazo de doze horas. Familiares de idosos em lares de terceira idade, questionem que medicamentos estão a adquirir...marca ou genéricos..e de que preço...serão dos mais baratos !?
Acreditem que a surpresa pode ser bastante desagradavel ...!

62 comentários:

  1. Li e reli este assunto...além de estar extraordinariamente muito bem escrito, faz-me ir até à minha aldeia onde a azeitona e o azeite se colhem, se tratam e se faz tal e qual!! Parabéns ao autor deste magnifico blog...e, uma plantação de mirtilios???

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, pelas agradaveis palavras...um estimulo à continuidade deste projeto.

    Mirtilios...quiça !

    Cumprimentos
    Serafim Carvalho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hello any project of olive is there can i get the info please

      Eliminar
  3. Após o falecimento dos meus pais, passei a ir apanhar a azeitona e já plantei mais 50 oliveiras da qualidade galega.
    A apanha é bastante difícil, mas é agradável saborear o azeite que produzo,. Estou a referir-me à serra do Açor, pequena aldeia de Chãs de égua, Piódão, onde as oliveiras estão plantadas em "leiras" ou "combaros" em socalcos abertos no xisto, com acessos muito difíceis. Eu uso a gadanha de plástico. Parabéns pelo artigo.
    Cumprimentos
    Carlos Pereira

    ResponderEliminar
  4. Ora aí está uma excelente iniciativa , caro Carlos...acrescento, que a oliveira galega pega de estaca, finais de Janeiro..Fevereiro, se retirar um dos rebentos que surgem junto ao pé, que esteja bem desenvolvido ..com dois..três anos, lascá-lo de modo a trazer uma pequena sapata, e planta-lo , na sua maioria pegam todos...ou até um pedaço de ramo .
    Cumprimentos.
    Serafim Carvalho

    ResponderEliminar
  5. Pretendia participar na colheita de azeitona deste ano. Tenho experiência rural. Nomeadamente este ano fiz as vindimas. Se me puderem ajudar nesta minha procura: jmdav@netcabo.pr telemóvel 961090416
    Obrigado
    João Vasconcelos

    ResponderEliminar
  6. as suas explicações são proveitosas para mim. Obrigada. Vou este ano, pela primeira vez, apanhar azeitona no olival de família. Dizem-me que a produção não vai compensar a despesa, e por isso há mais de 5 anos que o as azeitonas ficam na árvore. A azeitona ainda está verde e conto ir fazer a apanha no último fim de semana de Novembro.Não sei muito bem o que se passa nos lagares.Disseram-me que cobram 0, 90 mais iva para a maquia e transportes. Depois conto esta nova experiência.
    Júlia Oliveira

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, tenho uns terrenos em tras os montes, pertencentes a um avô que produz azeite e ainda cultiva muiats oliveiras, gostava de fazer uma empresaa de Azeite para exportação , mas não consigo saber informação de como fazer a tal marca e empresa . Gostava de saber se é viavel ser a cooperativa a fazer o azeite e eu a engarrafa lo para posterior venda, será viavel ou tenho que fazer um lagar ? como posso saber os preços para montar uma fabrica de engarrafamento ? Obrigado e parabéns pelo blog , Luis Filipe

    ResponderEliminar
  8. Julia...em termos financeiros, se não tivermos meios próprios para apanha, de transporte, somando o muito trabalho que envolve todo o processo, pagamento de maquias e afins...na opinião do meu vizinho que de tempos a tempos se descoloca da cidade para respirar um pouco do ar puro do campo - o crime não compensa- lá vai dizendo, sorridente, enquanto me observa , com ar de que jámais se sujeitaria a tamanha trabalheira.

    Para nos propor-mos a esta atividade temos de encontar medidas que de alguma forma minorizem todo o custo do processo, como por exemplo evitar contratatar pessoas, tentar motivar a familia para participar, marcar uns dias de férias para esta é poca...ir adquirindo o equipamento necessário, pouco a pouco...panos, máquina para limpar, quem sabe , até uma varejadora mecanica..quanto ao transporte da mesma, tente procurar disponibilidade de um vizinho, amigo, que possua uma carrinha de caixa aberta que lhe leve azeitona ao lagar...por vezes encontra-se quem o faça em troca de um garrafão de azeite ou pagando uma determinada quantia que terá de comparar com o que o lagar lhe cobra para tal...na realidade este assunto dos lagares é algo que me desassossega, a sua fama vem de longe no que diz respeito há sua conduta pouco transparente....o chamado "ladrão" do conhecimento popular ( nome dado a um componente integrado no sistema de fabrico que permite fuga de azeite para depósito próprio , propriedade do lagar ) motivo de conversa afiada por estas alturas, onde se vai discutindo qual dos lagares da redondeza "rouba mais" parecem persistir, até aos dias de hoje, boa parte do azeite que deveriamos trazer para casa fica por lá, sem que entidade alguma fiscalize este ato abusivo...o que nos leva a ficar na duvida sobre a real produtividade da azeitona. Embora possa variar dependendo da exposição geografica do olival e do grau de maturação, a titulo de referencia, venho sabendo que são necessarios entre 5 a 7 kg de azeitona para produzir um litro de azeite...é fácil fazer as contas e perguntar, onde fica o restante...é a questão que me vai inquietando.

    No entanto, nada disto é desanimador, esse produto genuino de excelencia comprovada com elevadissimos beneficios para a saude... merece a nossa persistencia e valerá todo o sacrificio...mesmo quando parece não valer a pena.

    Conclusão, o ideal será evitar acréscimo de custos...utilizando recursos próprios...se vamos pagar todo o processo, fica dispendioso, Espero ter ajudado e boa produção.

    ResponderEliminar
  9. Caro Luis Filipe, do que tenho conhecimento, quem se dedica há produção e comércio de azeite, possue um lagar , sim, e penso que só desse modo se mostrará rentavel a não ser que faça parte de alguma cooperativa ou qualquer outra associação de produtores...penso que no Ministério da Agricultura, obterá respostas para as suas dúvidas...quanto ao orçamento para instalação de um lagar pode consultar empresas como "Equipalagar", pesquise...a noção que tenho, dependendo do equipamento , uma só máquina , fácilmente custa 25.000€.
    Espero ter ajudado.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No norte vende na metalurgica GANDRA ver na NET máquinas Italianas na casa do 10 mil euros, penso que fazem mais de 100kg hora, sem águas russas e julgo que a frio. Cumprimentos

      Eliminar
    2. comprei um moinho de extração de azeite na metalurgica gandra em 2015.Estou muito satisfeito.É um grande prazer extrair o seu propio azeite.O moinho que comprei praticamente é todo automatico.Tem uma capcidade até 80 kg por hora.neste caso paguei 15000Euros

      Eliminar
    3. Boa tarde caro Manuel. Já agora seria interessante saber que percentagem de azeite obtém por 80 kg ou 100 kg de azeitona, e qual a variedade da mesma. Para comparar com a produção no lagar. Obrigado.

      Eliminar
  10. pois e sr.Sebastiao aqui nas redondesas ainda e pior que por ai 5okg de azeitona por 10 l de azeite..

    Ou pior 465kg de azeitona produçao total31 l levei p casa 25l
    e esta?

    ResponderEliminar
  11. Olá.
    Estava à procura de maneiras de esmagar azeitonas em casa e vim dar a este blog.
    Também tenho uma quintinha com algumas oliveiras e, este ano, mais uma vez, as azeitonas lá ficaram... ainda andei a tentar descobrir lagares na zona de Almada, Palmela, Pinhal Novo... mas não achei.
    Sou inventor (vivo disso), e gosto de desafios difíceis. No Youtube há umas maquinetas chinesas que, ligadas à corrente, fazem azeite (mas com azeitona descaroçada... tirar caroço a caroço só chinês... ). Vi também demonstrações escolares, para as crianças saberem donde vem o azeite, em que esmagam algumas azeitonas inteiras e sai alguma coisa. Pensei que, talvez, mesmo com baixo rendimento, esmagando minimamente a azeitona e fazendo uma prensa caseira (porque não com um "macaco hidráulico" ou similar) se poderia tirar algum azeite sem complicações de maior.
    O que acham?
    Obrigado pela Vossa atenção.

    ResponderEliminar
  12. Amigo Joaquim...diz e muito bem, é possivel fazê-lo em casa, um investimento que se for acautelado, traduz-se em mais valia, pois continuo convicto que uma parte razoavel fica nos potes dos lagareiros.
    O modo de extração de azeite é identico ao do vinho...esmagam-se as azeitonas, espremem-se, e deixa-se o sumo a repousar para que o oleo (azeite) sendo mais leve, se separe dos restante liquido, vindo á superficie, formando uma camada superior . Neste processo primário, artezanal, obtem-se o melhor azeite, puro, contendo todas as suas propriedades inalteradas, o problema maior consiste em esmagar a azeitona de forma adquada e eficaz, as mós de pedra utilizada, em lagares tradicionais, não são de todo uma solução prática, no entanto este processo de esmagamento é o melhor, porque as mesmas vão esmagando, amassando, lentamente, permitindo que as moleculas do azeite se vão juntando, todo este processo deve ser em ambiente mais ou menos quente, pelo que de vez enquando adiciona-se uma pequena quantidade de água quente, para manter a massa com uma temperatura a rondar os 30 graus...atualmente, os lagares modernos possuem pequenos moinhos ( moinhos de martelos, cujo principio de funcionamento consiste em projetar as azeitonas conforme vão entrando, contra a parede cilindica que reveste o interior e que contem pequenos furos de diametro reduzido, 5...6 mm, por onde azeitona é obrigada a sair, esmagando-a, uniformemente) que moem grandes quantidades de azeitona em curto espaço de tempo, no entanto posteriormente , possuem uma amassadeira, onde a massa vai sendo amassada durante cerca de 50 minutos, para de alguma forma obter o resultado das mós tradicionais...não será a mesma coisa, mas resulta...depois em vez de prensada, é centrifugada a elevadissimas rotações, como acontece com a roupa numa máquina de lavar, para extrair o liquido.
    O intento de produzir azeite em casa tbm muito me tem desassossegado, pelo que fiz alguma pesquisa, encontrando um site, que lamento ser espanhol - em português o que encontrei foi insignificante - que comercializa esses equipamentos e onde pode obter algumas ideias que poderá desenvolver...deixo aqui o endereço esperando ter contribuido...depois conte-me ! http://www.maquinariaroma.com/

    ResponderEliminar
  13. Boa noite. Obrigado pela resposta, Sebastião.
    Penso que deve haver processos simples de fazer azeite em casa. Já tinha encontrado o site espanhol que indicou e penso que qualquer das maquinas do mesmo podem ser feitas em casa. Especialmente se se tem algumas ferramentas, como um torno mecânico, como eu, por acaso, tenho. O problema é ter que partir do zero, para fazer, por exemplo, um triturador de azeitonas sem ter visto um, de preferência desmontado.
    Vi fazer azeite na minha aldeia quando era miúdo (tenho 60 anos com espírito de 15), mas com os habituais e pesados cilindros de pedra.
    Depreendo que um motor rodando dois rolos cilíndricos (não sei se talvez com umas ranhuras ou dentes) possam esmagar bem as azeitonas.
    Mas processos como este: http://www.metacafe.com/watch/875591/make_your_own_extra_virgin_olive_oil/ podem ser deveras interessantes. Graças a eles estou a fazer experiências com alguns resultados surpreendentes. Depois conto.

    ResponderEliminar
  14. Em complemento ao final da mensagem anterior, gostaria de esclarecer que me refiro a qualquer solvente capaz de libertar o azeite. Naturalmente que, quando fazemos azeitonas retalhadas não aparece uma mão travessa de azeite a boiar ao de cima.
    Mas há muitos outros vídeos interessantes pela ideia mas que não funcionam na prática. Podem contudo servir de ponto de partida para começar a imaginar possibilidades.

    ResponderEliminar
  15. boa tarde, achei bastante interessante o seu Blog. Eu sou de Trás-os-Montes, mais propriamente da freguesia de Pinelo, concelho de Vimioso. Como tenho algumas oliveiras, cerca de 300, sendo que 240 já foram plantadas por mim, as primeiras (140) em Novembro de 2000 e 100 em Novembro de 2011, as restantes eram já da família. Este ano o olival plantado em 2000 tinha apenas cerca de 300kg de azeitona, muito ao facto de ter sido podado o ano passado. A colheita da azeitona foi feita nos dias 12 a 14 de Dezembro, tendo o azeite sido feito no dia 19. Total de azeitona 495Kg que produziram 95kg de azeite com uma acidez de 0,2 décimas. Gostaria de saber se alguém me pode dar uma dica sobre mantas para apanha da azeitona, pois um amigo disse-me ter já visto algo parecido com um carrinho de mão no qual está acoplada a manta que depois vai em volta da oliveira. Qualquer ajuda é bem vinda, antoniofj3@sapo.pt. Obg

    ResponderEliminar
  16. olá eu hoje tive uma surpresa não muito agradavel fui experimentar o azeite e notei que está a picar,costumo comprar a azeitona e vou com um amigo ao lagar e assistimos a todo o processo de fabricação este ano ficou pelos 18% mas costuma fundir na ordem dos 19% mas não faço a minima ideia por que ficou assim.outra diferença que notei em relação aos outros anos é que tem uma leve borra quando isso nunca aconteceu.não sei que fazer.

    ResponderEliminar
  17. Dedicome a apanha de fruta diversa, poda e limpeza de arvores, terrenos baldios e agrarios, plantação, rega e apanha de produtos horticulas em estufas e céu aberto.
    Gostaria de apanhar azeitona em lugares de Portugal e Espanha qualquer assunto entrar em contacto comigo atavés do meu e-mail trabalho.sanzonal@hotmail.com ou do telemovel 0351 915664622

    ResponderEliminar
  18. Olá Sebastião,
    gostaria de lhe fazer algumas perguntas no âmbito de um projeto que tenho. Deixo-lhe o meu e-mai e pedia-lhe que me contactasse para poder colocar-lhas.
    Desde já o meu obrigado e muitos parabéns pela fantástica explicação dada sobre todo o processo de transformação da azeitona em azeite.
    singulartrips@gmail.com
    Cumprimentos,
    Patrícia Canejo

    ResponderEliminar
  19. Viva como esta Sebastiao?

    Descobri o seu blog e ja me tornei fan porque de facto os seus posts estao muito bem escritos, com boas fotos e sao muito honestos e genuinos, nota-se que voce nao tem este blog para escrever aldrabices.

    Obrigado por partilhar as suas experiencias enquanto piqueno agricultor.

    Cumprimentos

    Jeronimo

    ResponderEliminar
  20. Boa tarde Sebastião.
    Adorei a sua explicação.
    Os meus pais ficaram com um olival dos meus avós e todos os anos nos questionamos o que havemos de fazer.
    Até que houve um ano em que decidimos colher o fruto e fazer o azeite e plantar mais oliveiras com aa ajuda do conhecimento dos mais velhos da terra.
    No entanto gostaria de saber mais para poder ajudar os meus pais a continuar a tratar do olival. Até porque apesar do trabalho que da e da nossa falta de meios, decidimos mantê lo em memória do meu irmão que tanto adorava aquele espaço e sempre pediu que não o pusessemos a venda.
    A minha pergunta é, como é que se trata de um olival? Quais as épocas para poda, para os tratamentos, que tratamentos? E limpeza da terra, como se faz?
    Agradeço a sua ajuda.
    Obrigada.
    Vera Ferreira Ramos

    ResponderEliminar
  21. Boa tarde Sebastião.
    Adorei a sua explicação.
    Os meus pais ficaram com um olival dos meus avós e todos os anos nos questionamos o que havemos de fazer.
    Até que houve um ano em que decidimos colher o fruto e fazer o azeite e plantar mais oliveiras com aa ajuda do conhecimento dos mais velhos da terra.
    No entanto gostaria de saber mais para poder ajudar os meus pais a continuar a tratar do olival. Até porque apesar do trabalho que da e da nossa falta de meios, decidimos mantê lo em memória do meu irmão que tanto adorava aquele espaço e sempre pediu que não o pusessemos a venda.
    A minha pergunta é, como é que se trata de um olival? Quais as épocas para poda, para os tratamentos, que tratamentos? E limpeza da terra, como se faz?
    Agradeço a sua ajuda.
    Obrigada.
    Vera Ferreira Ramos

    ResponderEliminar
  22. Boa noite, Vera.
    É de enaltecer essa sua vontade para continuar a cuidar desse olival.
    Terei muito gosto em contribuir para que o possa fazer. O olival é das culturas que menores cuidados requer.
    As oliveiras, são árvores muito resistentes, a sua longevidade, estende-se por vários séculos...milhares de anos.
    De forma geral, os cuidados podem-se resumir a terreno limpo e poda.
    Contacte-me para o meu email, serafcarvalho@gmail.com, e vamos conversar sobre todas essas duvidas.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  23. Boa tarde.
    Gostaria que informa-se onde posso comprar azeitona britada, a qual, seria para enviar para Viana do Castelo.
    Agradeço a sua atenção.
    Cumprimentos.
    Alcino Santos

    ResponderEliminar
  24. Boa noite, caro Alcino.
    Penso que a "azeitona britada" a que se refere, é azeitona esmagada para conserva...normalmente, de forma manual, esmaga-se em casa a quantidade que se pretende. Não conheço quem a comercialize.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  25. Obrigado pela sua gentileza em responder ao meu pedido de informação.
    Cumprimentos.
    Alcino Santos

    ResponderEliminar
  26. Boa tarde, vou apanhar azeitona este ano pela 1ª vez, manualmente; tenho cerca de 60 Oliveiras e pergunto se alguém conhece algum lagar na zona de Mora - azeitona sem quaisquer tipo de produtos, totalmente biológica. Muito obrigada e ... muitos parabéns pelo excelente blog : )

    ResponderEliminar
  27. Bom dia Sr. Sebastião.

    Quero antes de mais dar-lhe os parabéns pelo blog que acho bastante útil.
    Gostaria de saber a sua opinião sobre se colocar a azeitona em água limpa que se renova todos os dias antes de se levar para o lagar. Isto é feito durante uma semana e de acordo com a pessoa que me disse isto permite reduzir a acidez do azeite.
    Agradeço desde já o seu comentário.

    ResponderEliminar
  28. Boa tarde, amigo Jorge Pereira.

    Aquilo que diz tem algum fundamento. É dessa forma que se vai retirando a acidez da azeitona quando se pretende obter azeitona de conserva, no entanto, há muito de errado nesse procedimento, que desaconselho sem qualquer duvida.
    Primeiro a azeitona deve ser moída o mais breve possível para que as suas propriedades não se alterem, como qualquer outro fruto...se por algum motivo se tem de esperar uma semana, ou está bem acomodada em sacos de plástico bem fechados, ou caso contrário, aí sim, vamos ter azeite de má qualidade, e possivelmente com acidez e mau sabor . Depois verifica-se uma absorção de agua por parte da mesma, que no lagar ao ser pesada, a moedura vai ficar mais cara, quando se paga consoante o peso.
    Corre-se também um risco elevado da mesma apodrecer, basta que já esteja um pouco deteriorada, para quer isso venha acontecer...e sei do que falo.
    Amigo Jorge...azeitonas saudáveis produzem azeite de excelente qualidade, sem acidez...não inventem, não compliquem um processo que é simples.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  29. Bom dia Sebastião!
    Antes de mais queria felicitá-lo pelo seu excelente blog onde expõe de uma forma simples e clara mas eficaz os assuntos.
    Também enfermo dos seus problemas e de grande parte dos seus leitores: país a ficarem idosos, 1500 oliveiras, impossível mecanização (trás os montes) , pouco tempo próprio disponível, indisponibilidade de mão de obra, etc etc.
    Penso que a única possibilidade de melhorar este cenário será otimizar, no possível, a apanha que essencialmente será para azeitona de cura. Na ripa da azeitona não utilizamos a gadanha que me parece interessante! Onde posso comprar, parece um ancinho plástico dos miúdos mas o afastamento dos dentes deve ser específico certo? Outra melhoria que penso experimentar é a utilização de um sistema tipo " guarda chuva" como o utilizado na recolha mecânica, mas colocado de forma manual rodeando a oliveira, em substituição das mantas que são sempre difíceis e demoradas de colocar em terrenos mais acidentados. O que acha desta ideia? Mais uma vez parabéns pelo blog.

    ResponderEliminar
  30. Bom dia Sebastião!
    Antes de mais queria felicitá-lo pelo seu excelente blog onde expõe de uma forma simples e clara mas eficaz os assuntos.
    Também enfermo dos seus problemas e de grande parte dos seus leitores: país a ficarem idosos, 1500 oliveiras, impossível mecanização (trás os montes) , pouco tempo próprio disponível, indisponibilidade de mão de obra, etc etc.
    Penso que a única possibilidade de melhorar este cenário será otimizar, no possível, a apanha que essencialmente será para azeitona de cura. Na ripa da azeitona não utilizamos a gadanha que me parece interessante! Onde posso comprar, parece um ancinho plástico dos miúdos mas o afastamento dos dentes deve ser específico certo? Outra melhoria que penso experimentar é a utilização de um sistema tipo " guarda chuva" como o utilizado na recolha mecânica, mas colocado de forma manual rodeando a oliveira, em substituição das mantas que são sempre difíceis e demoradas de colocar em terrenos mais acidentados. O que acha desta ideia? Mais uma vez parabéns pelo blog.

    ResponderEliminar
  31. Boa tarde, Zeca Diabo.
    Agradeço desde já, as felicitações pelo blog.
    Quanto aos gadanhes, são um excelente auxilio, proporcionam grande rentabilidade. Procure-os nas lojas de produtos para agricultura...feiras...mas tenha atenção, existem em plástico e metal. Não compre os de metal, mais pesados, dificultam o manuseamento, e ferem a azeitona, os de plástico são ótimos. Quanto ao problema das mantas, do acidentado e declive do terreno, já me ocorreu , utilizar um tubo, seccionado, com possibilidade de se aumentar ou diminuir, flexível, leve, de algum diâmetro, acoplado à manta, em que a mesma teria as pontas ligeiramente elevadas e fixas em pequenas estacas, de modo a escoar a azeitona pelo mesmo, para um local de desnível inferior, de melhor acesso, evitando o trabalho constante da recolher da azeitona, assim como o seu transporte...não sei se funciona, mas a ideia parece-me digna de experimentação.
    Agradeço as felicitações pelo blog, e boa colheita !

    ResponderEliminar
  32. Sem mais, Felicite-o pelo seu blogue, revelando o empenho no cultivo do olival, colheita e transformação dos frutos em azeite do qual sou muito apreciador. Sendo apreciador, logo possuo cerca de trinta oliveiras das quais cuido e faço questão de apanhar a azeitona e entrega-la num lagar, para a sua moagem.
    Há anos que persisto nisto tendo sempre a consciência que não dá para as despesas.
    Este ano já fiz a apanha, estou satisfeito com a produção mas fazendo as contas, mais crente estou do porque de muita azeitona ficar por apanhar pelo simples facto do preço praticado para a sua transformação que no meu caso pessoal e todos os outros que entregam azeitona no mesmo lagar na zona de Ferreira do Zêzere, cobram 0,75€ por litro de azeite produzido, o que na minha opinião é um preço elevadíssimo. O lagar fica com 25% da produção. Os lagares só existem porque há azeitona apanhada, muitas vezes por carolice se estes o deixarem de fazer o lagar também acaba e todos ficamos a perder incluindo o próprio país, todos ficaremos mais pobres. Creio que as autoridades deveriam olhar para isto e não há duvidas que este será um motivo para que vejamos cada vez mais olivais abandonados em especial os olivais que não estão adaptados para a apanha mecânica.
    Deixo este assunto para que seja reflectido por quem de direito e por todos os amantes de um bom azeite.

    Deixo um cumprimento a todos os participantes, um grande bem haja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr Mário Santos , julgo haver um lagar em S. Pedro de Tomar, Vale Florido, o que não fica muito longe , eu levo a minha azeitona ás Comeiras , perto de Pernes, vou de Alpiarça, e paguei o anos passado a 8 centimos o kg , 2 Toneladas 300litros de azeite 0,4º décimos ,este ano vou fazer a primeira entrega no domingo. Laboração continua.

      Eliminar
  33. Parabéns pelo blog e seu conteúdo, desde o texto às fotos. Eu também me dedico à agricultura de subsistência onde inclui a colheita da azeitona para conserva e fabrico de azeite. No blog não aconselha o tratamento da azeitona contra a mosca e gafa! eu pela primeira vês este ano por indicação do serviço de avisos tratei a azeitona. E digo que vale a pena pois os meus vizinhos colheram a azeitona apreçados e com a mesma com alguma podridão a minha em árvores quase pegadas tem azeitona nobre. Já quanto à colheita e também para fugir às escadas adequeri uma máquina varejadora eléctrica ou a bateria que para além do rendimento obtido ando menos exposto a acidentes. felicidades Sou Domingos Correia

    ResponderEliminar
  34. Parabéns pelo blog e seu conteúdo, desde o texto às fotos. Eu também me dedico à agricultura de subsistência onde inclui a colheita da azeitona para conserva e fabrico de azeite. No blog não aconselha o tratamento da azeitona contra a mosca e gafa! eu pela primeira vês este ano por indicação do serviço de avisos tratei a azeitona. E digo que vale a pena pois os meus vizinhos colheram a azeitona apreçados e com a mesma com alguma podridão a minha em árvores quase pegadas tem azeitona nobre. Já quanto à colheita e também para fugir às escadas adequeri uma máquina varejadora eléctrica ou a bateria que para além do rendimento obtido ando menos exposto a acidentes. felicidades Sou Domingos Correia

    ResponderEliminar
  35. Amigo Correia, antes de mais agradeço as felicitações pelo blog.
    Quanto ao tratar a azeitona, nós já ingerimos tantos venenos, para quê estarmos acrescentar mais. Os seus vizinhos, tal como aconteceu comigo, colheram azeitona um pouco apressados, já com sinais evidentes de gafa, mas o azeite que trouxeram para casa, é de excelente qualidade, saboroso, com acidez equilibrada, não contendo qualquer vestígio dos venenos que o seu terá...há quem diga que até lhe altera o sabor...no entanto, quando se possui poucas oliveiras, até entendo que se proceda desse modo para precaver a existência de uma colheita satisfatória, se não for o caso, nada como azeite puro, tal como a natureza o dá !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bem verdade quanto menos quimicos mais saudaveis ficamos, eu sei bem do que falo

      Eliminar
  36. bom dia, já mandei moer a minha azeitona, mas não sei qual a % de azeite que podem tirar do azeite extraido
    dizem que há um decreto sobre essa percentagem alguem sabe?

    ResponderEliminar
  37. A chamada, maquia, ( quantidade de azeite entregue ao lagar, para pagar a moagem da azeitona ) em algumas zonas, ou lagares, este serviço pode também ser pago em dinheiro, na zona de Tomar, corresponde a nove...dez cêntimos, por quilo de azeitona a moer. O valor da percentagem, a poderem retirar, não sei se tem regulamentação, mas fazendo as contas acaba correspondendo ao valor pago em dinheiro se essa opção existir. Cada lagar informa da percentagem, e do valor a pagar.
    Seria realmente interessante, depois de tanta controvérsia em torno do funcionamento dos lagares, saber como foi, como é que este processo em cada zona, localidade.
    A zona geográfica, qual a percentagem de azeite obtido, em cada variedade de azeitona...o valor pago pela moagem...modalidades de pagamento.
    Penso que será interessante para se ter uma noção desta realidade, que também me parece muito pouco transparente !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Sebastião , tenho um olival planto por mim, composto por 3 lotes com 805 de variedade galega e 20% combrançosa. Ribatejo zona de Alpiarça, levo a azeitona para os lagares na zona de S.Vicente do Paul-Comeiras- Pernres . o ano passado paguei a 8 centimos /kg entreguei 2000 toneladas , com diversas maturações tive 300litros de azeite com 0,4décimos , tempratura a 27ºgraus, já iniciei a apanha este anos e vou entregar domingo as primeiras, depois digo qualquer coisa. Meus pais são de S. Pedro Tomar.Bemposta. Cumprimentos.

      Eliminar
  38. Boa tarde
    Este ano tentámos esmerar,mas para o ano ainda nos iremos esforçar mais nesse sentido.
    1ºNão aproveitámos azeitona deteriorada,ou seja,podre,esmagada do chão,seca,com bicho ou manchas de doença.
    2ºLimpámos logo de folhas ,galhos e outro lixo
    3ºNo mesmo dia ou no dia seguinte levámos a quantidade apanhada, sem preocupação de juntar toda a colheita,ao lagar (cooperativa da azeite em Nelas )que nos fizeram o azeite pelo método a frio,mais caro mas melhor.
    4ºContinuámos a apanhar e a levar,apanhando a azeitona mesmo verde,pois a nova teoria é que o azeite "já lá está "e o fruto não precisa de amadurecer totalmente.
    5ºTivemos um azeite óptimo e muito saboroso.Apetece "comê-lo".
    6ºComo afirmei no início no próximo ano iremos antecipar o momento da colheita não esperando pelo escurecimento da azeitona.
    7ºSe estiverem interessados por mais explicações tentem contactar a cooperativa que vos ajudarão.Ah,e não há tempo de espera para aceitarem o produto.É feito na hora.

    ResponderEliminar
  39. Boa tarde
    Este ano tentámos esmerar,mas para o ano ainda nos iremos esforçar mais nesse sentido.
    1ºNão aproveitámos azeitona deteriorada,ou seja,podre,esmagada do chão,seca,com bicho ou manchas de doença.
    2ºLimpámos logo de folhas ,galhos e outro lixo
    3ºNo mesmo dia ou no dia seguinte levámos a quantidade apanhada, sem preocupação de juntar toda a colheita,ao lagar (cooperativa da azeite em Nelas )que nos fizeram o azeite pelo método a frio,mais caro mas melhor.
    4ºContinuámos a apanhar e a levar,apanhando a azeitona mesmo verde,pois a nova teoria é que o azeite "já lá está "e o fruto não precisa de amadurecer totalmente.
    5ºTivemos um azeite óptimo e muito saboroso.Apetece "comê-lo".
    6ºComo afirmei no início no próximo ano iremos antecipar o momento da colheita não esperando pelo escurecimento da azeitona.
    7ºSe estiverem interessados por mais explicações tentem contactar a cooperativa que vos ajudarão.Ah,e não há tempo de espera para aceitarem o produto.É feito na hora.

    ResponderEliminar
  40. Boa tarde
    Este ano tentámos que a nossa azeitona tivesse uma escolha mais esmerada .
    Tivemos uma recompensa :o produto final,o azeite saiu excelente,com qualidades muito boas segundo as responsáveis da cooperativa.
    No entanto ,para o ano ainda tentaremos melhorar o método da apanha.
    A saber :Apanhar cedo ,pois segundo informações técnicas não precisa de estar totalmente madura,havendo mesmo a teoria de que pode mesmo ter a cor verde;
    não apanhar a que tiver caído "voluntariamente",pois essa ou está podre ou com doença;
    limpá-la logo de folhas e lixo:
    transportá-la para o lagar para ser logo feito o azeite.
    Não aguarde pelo fim da colheita ,guardando-a em recipientes com água.É um erro.Eu também fazia assim.Aprendi com quem sabe.E agradeço.
    Faça o seu azeite em locais que usem o novo método pelo frio,ou seja, a baixa temperatura,pois quanto mais alta com menos qualidade fica o azeite.
    Rende menos, mas é muito melhor !
    O meu azeite apetece "comê-lo".
    No próximo ano ainda nos iremos esmerar mais.Para já iremos apanhar mais cedo,pois este ano tivemos de deixar muita na árvore pois já não estava em boas condições e,se tivéssemos começado cedo ,teríamos conseguido apanhá-la,logo teríamos mais quantidade.
    Espero ter ajudado com estas dicas.

    ResponderEliminar
  41. MOINHOS AZETONA
    Moinhos Mini para o azeite caseiro. Nós minialmazara tem o mais adequado para a sua produção e orçamento. Prensas Equipamento: Mão com macaco hidráulico, cilindro hidráulico, elétrico. Temos também oliveiras moinhos, liquidificadores, clarificadores, tanques, cestas . . . . As vendas em toda a Espanha, Portugal. Telefone: 927 514 490 686 741 Mobile e whatsapp www. maquinariaroma. com

    ResponderEliminar
  42. boa noite
    Este ano a minha azeitona rendeu um litro por cada sete kgs. Contudo apesar de a azeitona estar com um bom estado de maturação, ter sido limpa de folhas logo no dia da apanha, o azeite que me entregaram no lagar tem uma cor muito esverdeada ao contrario dos últimos anos.Porquê? Se me puderem ilucidar agradeço.

    ResponderEliminar
  43. Pois é amigo Victor. Só há uma razão para o azeite ter essa cor, azeitona tem de estar ainda verde, ou não totalmente madura ! Parece-em que os lagareiros têm muitas formas de manhosice, e eles sabem que o azeite proveniente de azeitona galega é o melhor, não é comparável ao dos olivais intensivos nem a outras variedades. O certo é que já me ocorreu, que eles fiquem com ele por lá para misturar no deles e entreguem outro que não esse...pelo menos uma boa percentagem. Só isso explicaria esse verdum.

    ResponderEliminar
  44. Boa tarde Sr. Sebastião, Antes mais permita agradecer.
    O conteúdo e informações deste Blog, foram muito úteis.
    De passagem pelo terreno, na zona da Chamusca, com oliveiras plantadas à cerca de 2 anos e outras ano e meio, pelo pai de meu marido que faleceu repentinamente, verificamos estar carregado de grossa azeitona.
    Perante o desafio de fazer honrar o trabalho deixado, começo a minha pesquisa sobre como fazer, pois já estávamos a entrar em Dezembro e a azeitona a dar sinal de estar pronta para a apanha. Nossa primeira experiência! Venho deixar meu testemunho.
    Contactei o primeiro Lagar em S. Pedro de Tomar: Carvalhal Grande. Que informou que cobravam a 9 cêntimos o quilo pela moagem acima dos 500kg e 10 cêntimos abaixo desse peso. Moagem própria, só com cerca de 300kg, isto porque já estamos em época baixa.
    Outro em Miguel de Rio Torto, onde deixávamos a azeitona e iríamos recolher por cada 100 kg 7,5 litros.
    Quarta feira e quinta feriado colhemos toda a Azeitona e na sexta deixamos no lagar do Sr. Zé Alberto em S.Pedro de Tomar.
    Peso da azeitona recolhida: 250kg entregue a granel,desilusão! pois com 300 já podíamos fazer azeite próprio!...Quando despejada Sr. Alberto diz: Vai dar azeite fino,a azeitona está muito sã! Ao que questiono, vamos levar azeite da nossa azeitona? Sim... estamos em época com menos azáfama e permite que assim seja. à atarde pode vir buscar...
    Com tudo o que li... contava trazer entre 25 a 28 litros de azeite, qual a surpresa... chegados ao lagar lá estava a cuba com a nossa identificação... sem vasilhame próprio, optamos pelos garrafões de 5 litros que o lagar dispõe, para venda.
    Então trouxemos de volta 8x5L= 40L. de um azeite com cor e sabor sublime.
    Creio poder afirmar que neste Lagar o "Ladrão" não tem convite para entrar...
    De realçar o trato amistoso do Sr. Alberto!
    Meus melhores cumprimentos e parabéns pelo seu trabalho.

    Conceição Guita




    ResponderEliminar
  45. Olá São ! Teve bem mais sorte que eu, que deixei lá 690 kg de azeitona e trouxe 70 litros de azeite, pouco mais de 10% de rentabilidae !
    Como não gosto de duvidas, nem de me sentir enganado, fui colher a restante que se encontrava ainda no mesmo olival, isto apenas com uma semana de diferença, colhendo 186 kg,que levei para um lagar certificado em Colmeias de Baixo- Pernes....trouxe 31 litros de azeite,mais de 16,6 de rentabilidade !! Nos próximos anos nem mais um bago fica por cá e aconselho-a a fazer o mesmo ! http://fiodourado.pt/os-nossos-produtos/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então terei tido mesmo sorte!... Para o ano, se ficarmos nós com a tarefa vou estar atenta.
      Agradecida

      Eliminar
  46. Prezada amiga Teresa Cruz, tentei responder-lhe mas o seu email, devolve a mensagem. Agradeço que seja mais explicita, não percebi o que predia dizer "com o seu azeite"...seria antes "como" ? Se pretender pode faze-lo diretamente para serafcarvalho@gmail.com
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  47. Parabéns pelo Blog, que adorei. Tenho acesso a 4 oliveiras de familia, que estão super carregadas 7 Agosto, mas ainda verde (Algarve Tavira). Gostava de colher para comer (com oregaos e ou alho). Pelo calculo de Maturidade publicado no seu Blog, poderá ser melhor para este efeito (esmagar ou abrir corte, agua e especiarias... ) apanhar a azeitona como está? Verde, e provando, ainda amarga e dura. Obrigado pela passagem de informação honesta, e a todas as preguntas. Hugo Freitas

    ResponderEliminar
  48. Obrigado "solt" . A azeitona para conserva deve-se colher já em boa maturação, já preta, mas antes de começar a ficar demasiado madura, mole. A azeitona de conserva de tonalidade verde, corresponde a a uma variedade especifica para esse efeito.
    Sete oliveiras carregadas, se forem árvores centenárias de azeitona galega, ou similar, possivelmente consegue colher 200 kg de azeitona, o que já justifica levar para o lagar e transformar em azeite.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar